Uma Royal Tour é quando os membros da realeza fazem uma visita a outro país para uma série de compromissos oficiais e encontrar a população local. Os assuntos os compromissos são os que o governo deseja chamar atenção para mostrar o país como destino turístico para o mundo.

Porém, as turnês também servem para estreitar laços entre nações e mostrar união e bom relacionamento para o mundo, como a primeira turnê do Duque e Duquesa de Cambridge após o Brexit, para a Irlanda.  

O Duque a a Duquesa de Cambridge, O Príncipe George e a Princesa Charlotte desembarcam em Victoria, Canadá, em setembro de 2016 (Chris Jackson).

COMO A TURNÊ É PLANEJADA?

Normalmente, as turnês são um convite do país anfitrião, ou, mais raramente um pedido do Reino Unido. O tempo de planejamento de cada uma depende do tempo de duração e o local visitado.

O primeiro passo é elaborar um itinerário inicial com base no que o país anfitrião gostaria de mostrar e nos interesses pessoais dos membros da realeza.

Após a definição do itinerário, meses antes da visita, alguns membros equipe real viajam para o local para descobrir e definir exatamente como tudo funcionará, a logística para cada compromisso, distância entre os compromissos, o melhor local para encontrar o público, o código de vestimenta e os melhores ângulos e posição para as câmeras.

Príncipe Charles e Princesa Diana durante o primeiro dia da turnê no Canadá em junho de 1983 (Toronto Star).

A partir daí, a “Bíblia da turnê” é escrita, um livro grosso, com informações que vão desde instruções sobre como se comportar, assuntos a serem abordados com cada pessoa que a realeza encontrará e questões culturais importantes, a ilustrações dos lugares e portas por onde as pessoas entrarão, ficarão e sairão.

Ao mesmo tempo, uma equipe de oficiais do Serviço de Proteção Real – uma divisão especial do Serviço de Polícia Metropolitana de Londres – define todos os assuntos de segurança e enumera os contrapontos, dificuldades e os locais que precisam de atenção especial (trabalho que também é realizado em todos os compromissos da realeza dentro do Reino Unido).

Novamente no Reino Unido, a equipe se reúne com os membros da realeza para explicar o que acontecerá em todos os compromissos e a importância de cada um deles.

A IMPORTÂNCIA DO GUARDA-ROUPA

O Duque e a Duquesa de Cambridge chegam para um jantar durante a turnê do Paquistão em outubro de 2019 (Hello Magazine)

Embora pareça simples, o código de vestimenta é um dos elementos mais importantes de uma turnê, um erro pode ser o assunto da turnê e tirar o foco das questões essenciais.

Cada peça precisa se adequar a cada evento e prestar homenagens singelas por meio de broches, joias, cores nacionais, estampas ou estilistas locais.

Em turnês como a do Canadá (que o Duque e a Duquesa de Cambridge fizeram em 2011 e 2016).

Mas culturas diferentes exigem abordagens diferentes da realeza e equipe. É necessário se atentar ao tamanho da saia, decotes, mangas e cortes e respeitar o código de vestimenta e trajes locais, como o Paquistão em 2019 e Índia e Butão em 2016.

Outros detalhes a serem definidos antes da escolha do guarda-roupa são o clima, o tipo de terreno e o número de roupas extras para caso um imprevisto aconteça, algo seja danificado ou perdido.

Os últimos ajustes são feitos no avião e os membros da realeza se vestem sempre no último minuto para evitar qualquer tipo de problema.

A EQUIPE

O Duque a a Duquesa de Cambridge com a equipe da turnê para a Alemanha e Polônia em julho de 2017 (Pinterest).

Nem todos os membros da equipe de planejamento participam da turnê. A equipe varia de turnê para turnê, mas normalmente é composta de 15 a 20 pessoas, sempre com os secretários particulares, os secretários assistentes, estilista, cabeleireiro, o gerentes de operações e logísticas, o secretário de imprensa e os assessores de imprensa, fora a equipe de segurança.

Os jornalistas e fotógrafos costumam viajar no mesmo avião da realeza, mas não tem qualquer ligação com os membros da realeza ou com a equipe deles.

Os jornalistas e fotógrafos costumam viajar no mesmo avião da realeza, mas não tem qualquer ligação com os membros da realeza ou com a equipe deles.

QUEM PAGA PELA TURNÊ?

O país anfitrião, na maior parte do tempo. O Reino Unido paga os voos e o país, os demais custos da viagem, como a hospedagem para a realeza e equipe, as viagens dentro do país e organização dos eventos, tudo em troca de publicidade.

A publicidade e a cobertura da imprensa britânica e dos principais jornais do mundo costuma ser vantajosa, já que mostrará o país como destino turístico e chamará atenção positiva para causas e iniciativas.

O Príncipe Charles e a Duquesa da Cornualha durante a turnê do Caribe em março de 2019 (Hello Magazine)

Esta é a razão pela qual as atividades festivas, culturais e os projetos importantes para o governo são mais frequentes, para serem destacados pelos maiores veículos de imprensa do mundo.

A TAXA DE COMPROMISSOS

As turnês costumam ser de agenda cheia para a realeza, com uma média de quatro a cinco compromissos por dia.

Nos dias de hoje, o governo preza por mais compromissos em menos tempo e visitas que décadas atrás demorariam cerca de três semanas e deixariam muito tempo livre para a realeza, hoje duram entre cinco e sete dias.

Ainda assim, existem viagens de carro todos ou voos entre estados os países todos os dias, algumas vezes mais de uma vez por dia. Os compromissos começam muito cedo e terminam tarde, após eventos durante a noite ou jantares e recepções de gala.

William e Kate desembarcam com o pequeno Príncipe George em Sydney, Austrália durante a turnê para Austrália e Nova Zelândia de abril de 2014 (Hello Magazine).

PRESENTES

Todos os presentes recebidos durante a turnê de forma oficial, ou seja, por membros do governo ou instituições, são registrados e catalogados pela equipe real e uma lista oficial é no final do ano com o presente e em qual turnê foi recebido.

Presentes recebidos pelo público e flores não são catalogados. As flores, assim como no Reino Unido, são doadas para hospitais, asilos e instituições de caridade.